Arquivos

Ao longo do ano, em vários locais da capital, a Alliance Française de Luanda realiza concertos, palestras, teatro… para propiciar o intercâmbio e a descoberta.

A Volta ao Mundo das Danças Urbanas em 10 Cidades

A Alliance Française traz a Luanda, em parceria com o Centro Cultural Brasil-Angola, a inédita conferência dançada da coreógrafa e pesquisadora brasileira Ana Pi:

"A Volta ao Mundo das Danças Urbanas em 10 Cidades"

No Centro Cultural Brasil-Angola (Rua Cerveira Pereira, ao lado do Museu de Antropologia, Coqueiros)
Na quarta-feira 29 de Junho, às 19h
Entrada GRÁTIS - apresentação em língua portuguesa

Nesta conferência dançada, serão apresentadas e comentadas 10 danças urbanas ligadas a 10 cidades do mundo, tal como o Krump em Los Angeles, o Dancehall em Kingston, o Pantsula em Joanesburgo o Voguing em Nova Iorque, o Passinho no Rio de Janeiro ou o Kuduro em Luanda.

Clique aqui para saber mais: http://bit.ly/28JbL8E

Uma selecção de vídeos e fotografias ilustrando cada estilo será projectada e comentada. Pelas mudanças de trajes, explicações factuais, incarnações e momentos dançados, Ana Pi evoca a complexidade dessas danças urbanas, com entusiasmo, empatia e simplicidade.

Preenchimento dos lugares por ordem de chegada do público.

Uma colecta de alimentos não perecíveis será organizada em prol da Escola de Música Obra Bella

Eyo’nlé Brass Band

No âmbito da III Trienal de Luanda, a Alliance Française de Luanda tem a honra de receber a fanfarra do Benim Eyo’Nle Brass Band.

Os 7 músicos estarão em Luanda para um concerto excepcional

Sábado 18 de Junho, às 21h00 no Palácio de Ferro - Entrada gratuita

Eyo’nlé Brass Band é uma das poucas fanfarras africanas que divulgua internacionalmente a tradição dos instrumentos de sopro oriundos dos países do Golfo da Guiné. No seu repertório, os artistas misturam o Afro Beat Yoruba, o High Life Ganense e as músicas Vaudou (Vodum) do Benin. Com o seu novo álbum,“A Marca do Pai”, Eyo’nlé Brass Band convida-nos para uma viagem única e autêntica, uma descoberta das raízes africanas, com ritmos, danças e cantos. Os cantos evocam problemáticas actuais e celebrações tradicionais (cerimónias do culto Vodum, rituais fúnebres e ritos de iniciação). A banda também revisita sucessos de cantores franceses como Serge Gainsbourg ou Georges Brassens.

O concerto tem o apoio da: Embaixada da França em Angola, Air France, Total E&P Angola, Dimassaba.

A III Trienal de Luanda é realizada pela Fundação Sindika Dokolo. Tem o apoio da: Unitel, Banco Atlântico, Endiama, Gefi, Governo da Província de Luanda, Comissão Administrativa da Cidade de Luanda, Governo da República de Angola - Ministério da Cultura.

Poderá encontrar mais informações sobre o evento através do link : https://www.facebook.com/events/266373620383237/

Bate-papo com Panaibra Gabriel

Sexta-feira, 10 de Junho, às 14h00 no Centro Cultural Brasil Angola (Rua Cerveira Perreira, ao lado do Museu de Antropologia, Bairro dos Coqueiros)

Panaibra Gabriel, bailarino e coreógrafo é um dos precursores da dança contemporânea em Moçambique. O artista irá apresentar a sua obra e o cenário da dança contemporânea no seu pais. O objectivo do encontro também é de conversar com dançarinos, coreógrafos, criadores e productores culturais angolanos para avaliar possíveis intercâmbios na área de artes cénicas, em particular na dança criativa e outras disciplinas artísticas conexas.

As inscrições para o debate em Luanda são limitadas e devem ser feitas através do email culture@afluanda.com

Concerto : Elida Almeida

No sábado, 28 de Maio, a partir das 21h30, o Miami Beach irá acolher o concerto da nova revelação de Cabo Verde, Elida Almeida, que se produzirá pela primeira vez em Luanda. Vencedora do concurso musical "Prix Découverte RFI 2015» (Prémio Descoberta Radio France International), iniciou no 8 de Abril de 2016 uma turnê pela África para comemorar esta victória.

O evento, organizado pela Alliance Française de Luanda e o Miami Beach será gratuito. Terá apoio da Embaixada da França em Angola, a Embaixada do Cabo Verde, a RFI, a Unesco, o Institut Français, a Air France e a Total.

Com apenas 23 anos de idade, Elida Almeida , a nativa da Ilha de Santiago quebrou a maldição de uma infância difícil num álbum luminoso feito pelos ritmos da morna, batuque, funaná e a profundidade das melodias folk e blues. Intitulado “Ôra doci, ora margos” o seu primeiro álbum, composto por 12 faixas, foi lançado em finais de 2014. As músicas estão disponíveis através do Soundcloud da artista:
https://soundcloud.com/africa-nostra/sets/elida-almeida-ora-doci-ora-margos/s-3mHEd

A vinda de Elida Almeida em Angola também é a ocasião de divulgar a abertura das candidaturas para o Prêmio descoberta RFI 2016. O vencedor beneficiará de uma dotação de 10.000 euros, da organização de um concerto em Paris e de uma “tournée” na África. Inscrição através do site : http://www.prixdecouvertes.com/pt/inscricao

Pages